Seminário debate as políticas públicas para alavancar cadeia da erva-mate

23, março de 2017

Ouvir os produtores sobre quais são as demandas para as novas políticas específicas para a erva-mate e o consumidor com relação à qualidade da erva-mate, e sobre estas demandas está sendo construída a política nacional da erva-mate. Com este objetivo, foi realizado o Seminário de Políticas Públicas para a Erva-Mate, nesta quinta-feira, 23, à tarde, no auditório da Expoagro Afubra e integrou a programação oficial da feira. O seminário é uma promoção conjunta da Afubra, Instituto Brasileiro da Erva-Mate (Sindimate), Fundo Estadual da Erva-Mate (Fundomate) e Emater/RS-Ascar.

Abrindo os trabalhos, o vice-presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra) e coordenador da feira Marco Antônio Dornelles, destacou a importância do Seminário, pois tratou de uma atividade muito forte voltada ao pequeno agricultor. O presidente do Instituto Brasileiro da Erva-Mate (Ibramate) Valdir Pedro Zonin, trouxe presente algumas das políticas defendidas pelo setor e que serão encaminhadas ao Governo Federal via deputados federais Afonso Hamm (PP/RS) e Heitor Schuch (PSB/RS). Uma delas é o programa de valorização da erva-mate,e outra é a implantação de uma legislação específica para a criação dos sub-bosques da cultura, o que permitirá ao agricultor consorciar a erva-mate com a mata nativa. Zonin defendeu, ainda, a criação de uma Frente Parlamentar Nacional a exemplo da Frente Parlamentar Gaúcha para trabalhar na defesa dos mais de 13 mil produtores de erva-mate do estado e do restante da cadeia produtiva.

O coordenador da Câmara Setorial da Erva-Mate da secretaria estadual de Agricultura, Pecuária e Irrigação Tiago Fick, apresentou o relatório de atividades do Fundo Estadual do Mate (Fundomate) desde a sua criação, em 2012, com destaque para a parceria com a Escola do Chimarrão de Venâncio Aires durante a Expointer de 2016, em Esteio, a aquisição de um veículo repassado à Seapi para o deslocamento da equipe técnica e a aquisição de outros equipamentos para a secretaria.

A erva-mate é um produto consumido nos três estados do Sul, Mato Grosso do Sul e com pouca expressividade nos demais. Neste sentido, o presidente do Sindicato das Indústrias do Mate do Rio Grande do Sul (Sindimate/RS) Álvaro Pompemeier, solicitou o apoio dos deputados para melhorar a colocação da erva-mate no mercado nacional. Pompemeier criticou que órgãos públicos podem adquirir chá e café, porém, não podem comprar erva-mate. Apresentou dados das indústrias gaúchas, que são responsáveis pela fabricação de 49% da matéria-prima consumida no Brasil. Frisou que a indústria ervateira quer ser parceira no trabalho desenvolvido pela Emater/RS-Ascar e pelo Ibramate na revitalização do setor produtivo.

Na terça-feira, 21, foi lançado pela secretaria estadual de Desenvolvimento Rural, o Programa Gaúcho para a Qualificação e Valorização da Erva-Mate. O programa será executado pela Emater/RS-Ascar e, segunda a coordenadora do Escritório Regional do Vale do Rio Pardo Lúcia Souza, antes de qualificar os produtores, a empresa está qualificando os técnicos. “Isto se faz necessário pois é importante desenvolvermos o programa com segurança”, frisou.

“A nossa Frente Parlamentar foi criada com o objetivo de colaborarmos naquilo que pode ser útil no processo de revitalização de toda a cadeia produtiva da erva-mate”, resumiu o deputado estadual Elton Weber (PSB), presidente da referida frente da Assembleia Legislativa. Também defendeu a necessidade da criação de uma Frente Parlamentar Nacional para defender os interesses do setor ervateiro em Brasília. Weber garantiu que na primeira quinzena do próximo mês de abril, encaminhará o projeto de lei para alterar a legislação e assim, permitir ao produtor consorciar a erva-mate com a mata nativa.

No ano de 2004, a Escola do Chimarrão começou o trabalho de divulgação da erva-mate, seus benefícios e ensina o preparo diferente de 36 modelos. “O nosso objetivo é fazer o resgate da cultura do chimarrão, que já é tomado há mais de 500 anos”, frisou o diretor executivo Pedro José Schwengber. Ele também defendeu a necessidade de divulgar mais esta bebida nos outros estados brasileiros, principalmente no Rio Grande do Sul, pois têm muitos gaúchos que não tomam chimarrão. Para Schwengber, não tomam por desconhecimento dos benefícios e das propriedades medicinais e nutracêuticas da erva-mate. “Quem toma chimarrão, vive mais e viver melhor.”

No final do seminário, foi renovado o convênio de cooperação entre o Ibramate e a Prefeitura de Ilópolis, RS.

 

Edemar Etges - Expoagro Afubra 2017

Fotos: Luiz Fernando Bertuol/Afubra

Tags: Expoagro Afubra, Diversificação, Feira, Floresta, Erva-Mate

COMPARTILHAR:

Top